Topo
Uma pessoa, de perfil, utilizando o óculos de realidade virtual e aumentada HoloLens da Microsoft
Publicado na categoria Notícias

Pessoas com deficiência visual conseguem escutar o ambiente através de Realidade Aumentada

Um relatório publicado recentemente detalha o trabalho de três cientistas da Caltech que estão investigando a ideia de usar Realidade Aumentada como uma forma de ajudar pessoas com deficiência visual a navegar em locais novos e desconhecidos por meio de algoritmos de visão computacional, permitindo que objetos no mundo real se “anunciem” ao usuário quando entram em uma sala.

A equipe usou a capacidade do Microsoft HoloLens de criar uma malha digital sobre uma “cena” do mundo real. Usando um software exclusivo chamado Cognitive Augmented Reality Assistant (CARA). Eles foram capazes de converter informações em mensagens de áudio, dando a cada objeto uma “voz” que você ouviria enquanto usava o fone de ouvido.

Através do CARA, o HoloLens detecta objetos em seu entorno. Se o objeto estiver à esquerda, a voz virá do lado esquerdo do fone de ouvido, enquanto que qualquer objeto à direita falará com você pelo lado direito do fone de ouvido. O tom da voz mudará dependendo de quão longe você está do objeto; quanto mais próximo o objeto, maior o tom.

Para evitar bombardear o usuário com muita informação, a equipe da Caltech desenvolveu vários modos para simplificar a experiência. Sendo um deles o ‘Modo Spotlight’, onde um usuário pode apontar seu rosto diretamente para um objeto e esse objeto específico se anunciará a você dizendo o que é. Outro modo é chamado de ‘Scan Mode’, onde os objetos na sala são escaneados pelo CARA e então cada item se anuncia da esquerda para a direita.

O terceiro modo, ‘Target Mode’, permite ao usuário empregar qualquer objeto na sala como um guia para ajudar a navegar pelos arredores. Essa abordagem é muito semelhante ao que você experimentaria se estivesse usando um guia de áudio em um museu, mas, em vez de informações sobre arte, você está recebendo informações sobre o que está ao seu redor.

Os primeiros testes do trabalho da Caltech são promissores, mas ainda há muito trabalho pela frente. A próxima fase de testes deve explorar o quão bem o HoloLens e o CARA trabalham em espaços públicos maiores, com um grupo enorme de pessoas em constante movimento e mudanças, como shopping centers, lojas e parques de diversões.

Fonte: VRScout

Tags

Sobre o autor: Ricardo De Melo

Professor de informática acessível e tecnologias assistivas para pessoas com deficiência visual e Desenvolvedor Web

1 COMENTÁRIO
  • WELLINGTON DE CASTRO
    7 meses atrás

    Bacana a noticia!

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *