53
0

Aplicativo permite que voluntários emprestem sua visão para pessoas com deficiência visual

53
0
Sob uma mesa de madeira, mãos segurando smartphone com aplicativo Be My Eyes em execução

Uma empresa dinamarquesa resolveu unir tecnologia e voluntariado para facilitar a vida das pessoas que vivem com deficiência visual. O aplicativo Be My Eyes permite que os usuários solicitem assistência a voluntários em diversas situações em que a visão é necessária.

A ferramenta, que atualmente já conta com 87 mil usuários, é gratuita e possibilita que pessoas com deficiência visual telefonem para voluntários por meio de chamadas de vídeo para identificar objetos e obstáculos ao seu redor.

Hans Jorgen Wiberg, que também vive com deficiência visual, iniciou o negócio em 2015, depois que um amigo cego lhe revelou realizar chamadas de vídeo com familiares para ajudá-lo nas tarefas diárias, como pegar ingredientes nas prateleiras e ler etiquetas.

Mas, embora o aplicativo tenha um ótimo propósito, os desenvolvedores encontraram um grande desafio: obter a receita para manter o serviço. A saída foi cobrar das empresas para elas disponibilizarem seus serviços de suporte pelo app, como foi o caso da Microsoft, a primeira a topar.

Serviços como o Be My Eyes, que agora está disponível em 150 países e 180 idiomas, têm aquecido o setor de empreendimentos sociais. A Grã-Bretanha atualmente é vista como líder global em inovação nesse mercado, com cerca de 70 mil empresas que empregaram quase 1 milhão de pessoas no ano passado. Em todo o mundo, cerca de 253 milhões de pessoas vivem com deficiência visual e 36 milhões são cegas, segundo a Organização Mundial de Saúde.

O Be My Eyes, antes disponível apenas para iOS, também ganhou uma versão para dispositivos Android.

Fonte: Época Negócios

Leonardo Gleison
ESCRITO POR

Leonardo Gleison

Engenheiro de software, possui 13 anos de experiência em acessibilidade digital e é criador de conteúdo sobre tecnologia assistiva, educação inclusiva, atividades de vida autônoma, inclusão e acessibilidade no canal Inclunet do Youtube.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.