TOPO
Publicado na categoriaNotícias

Conheça o Orcam MyEye, um dispositivo para ler textos, reconhecer pessoas e muito mais

Em foco uma mulher de óculos. Na haste direita do óculos está acoplado o dispositivo orcam myeye

O OrCam MyEye é um dispositivo portátil intuitivo com uma câmera projetada para auxiliar pessoas com deficiência visual a terem vidas mais independentes.

O dispositivo constantemente escaneia rostos, e ao encontrar alguém conhecido, diz para o usuário de quem se trata.

Também é possível identificar valores monetários, como contas, extratos, notas fiscais e outros documentos detalhados, como, por exemplo, cartões de crédito.

Outra coisa que o Orcam MyEye faz de maneira fácil é ler qualquer material impresso, pois ele reconhece textos com precisão, mesmo à distância. Seja um livro ou um cardápio à sua frente, e até mesmo uma placa do outro lado da rua.

Além do mais, você poderá identificar marcas e textos em embalagens com facilidade.

Vídeo de demonstração

Ficou curioso para conhecer um pouco mais do Orcam MyEye, veja um vídeo de demonstração do produto logo abaixo.

Textos retirados do site do produto: Mais Autonomia

«
»

21 Comentários

  • Victor Inacio em 21 de agosto de 2017

    Nossa que tecnologia de acessibilidade ótima, deve ser muito fácil a utilização do aparelho.
    Ricardo já tem para vender?
    Valeu pela notícia.

    Abraços.

    Responder
    • Ricardo de Melo em 21 de agosto de 2017

      Fala aí Victor, beleza?
      Olha, eu obtive informações que ele custa mais de três mil dólares nos Estados Unidos. Esse valor é alto até mesmo para o padrão americano.
      Quanto custa no Brasil eu não sei, teremos que ver nesse site chamado maisautonomia.com.br

      Responder
  • Wellington de Castro em 21 de agosto de 2017

    Gostei, mas como sempre, não tem preço acessivel; se é caro para americanos, imagina para nós que estamos em um país quebrado!

    Responder
    • Ricardo de Melo em 21 de agosto de 2017

      Pois é, ser deficiente visual no Brasil custa os olhos da cara

      Responder
      • Irene Poeta em 21 de agosto de 2017

        Literalmente!!!

        Responder
  • jhonatan em 21 de agosto de 2017

    É impressionante quantas informações relevantes o Ricardo nos traz;;; sem duvida é uma melhor que a outra!!
    Embora não possamos arcar com os custos deste ou daquele aparelho, já é uma vitória saber que estão estudando e conhecendo melhor a nossa realidade. Estamos caminhando lentamente, quase parando; porém, não podemos deixar de comemorar os avanços!!

    Responder
    • Ricardo de Melo em 21 de agosto de 2017

      Olá Jhonatan, você foi muito feliz em dizer que as coisas caminham lentamente. Lembre-se que há alguns anos atrás não tínhamos tantos recursos como temos hoje e os que estavam disponíveis não eram baratos
      O tempo passou e temos, por exemplo, leitores de tela gratuitos para PCs e smartphones.
      Logo um dispositivo como esse poderá ser mais acessível a todos.

      Responder
      • Irene Poeta em 21 de agosto de 2017

        Sem dúvida, os avanços tecnológicos acontecem, infelizmente, a acessibilidade financeira não acompanha o mesmo ritmo, no entanto, elas também avançam.
        Bom seria se as duas caminhassem na mesma velocidade, não é mesmo? Bem, enquanto isso não acontece, vamos nos alegrar com a novidade e torcer pra que nos seja acessível o mais breve possível.
        Abraço a todos!

        Responder
    • Irene Poeta em 21 de agosto de 2017

      Concordo, Jhonatan. Abraço

      Responder
  • Alessandra Lourenço em 21 de agosto de 2017

    A tecnologia avançando cada vez mais, mas infelizmente o salário mínimo do Brasil não acompanha esse avanço. Esse dispositivo maravilhoso está longe da realidade das pessoas com deficiência visual aqui, pois a maioria dessas pessoas dependem de um salário mínimo para sobreviver, mas valeu mesmo assim. Obrigada Ricardo.

    Responder
    • Ricardo de Melo em 21 de agosto de 2017

      Oi Alessandra, seja bem vinda. Pois é, mas pense que uns anos atrás você pagava caro para ter um celular com leitor de tela e hoje ele já vem nativo no aparelho.
      Um dia, dispositivos como o Orcam, serão mais acessíveis em todos os sentidos.

      Responder
  • Leandro em 21 de agosto de 2017

    Olá pessoal!
    O video é bem promocional, a empresa poderia ter feito uma parte com demonstração real.

    Responder
  • Arthur em 21 de agosto de 2017

    Testei o ORCAM pela primeira vez em uma feira internacional em 2015. Estive na feira REHAFAIR neste fim de semana e não achei que o produto teve avanços, tirando o idioma Português.
    Acho que no Brasil o marketing do produto está muito forte e a empolgação dos usuários também.
    Cautela neste momento é muito importante!

    Responder
    • Ricardo de Melo em 21 de agosto de 2017

      Olá Arthur, obrigado pelo comentário.
      Eu testei o Orcam recentemente e faço as mesmas ressalvas que você, no entanto, entendo a empolgação da galera, já que se trata de um produto tecnologicamente interessante.
      É claro que temos que ponderar todos os aspectos antes de tomar decisões e posições.
      Forte abraço!

      Responder
    • Irene Poeta em 21 de agosto de 2017

      Olá, pessoal e Ricardo.
      Estive conversando com algumas pessoas, que assim como o Arthur, testaram o produto.
      Agora eu entendo as considerações que ele fez e compreendo que esse produto, do jeito que está, pode ser literalmente, uma faca de dois gumes, ou seja, pode nos prejudicar duas vezes.
      Como? Simples, primeiro porque a propaganda, volto a citar o Arthur, pois aqui, foi o primeiro a falar sobre isso, é que está exagerada, afinal, o Orcam não corresponde ao que a propaganda diz.
      No vídeo que a Orcam produziu, vou citar o Leandro, pois ele também fala sobre esse assunto específico aqui, dizendo que é bem promocional, que deveriam ter feito uma parte com um teste real.
      Bem, agora nós sabemos porque, não é mesmo? Como demonstrar dizendo que uma coisa é uma coisa, quando ele não é esta coisa, rsrs, essa foi de propósito.
      Resumo da ópera até aqui, pelos testes feitos com Pessoas com deficiência visual, o produto Orcam, precisa melhorar muito pra ser o que eles dizem que é.

      A segunda questão gira em torno de uma coisa tão ou mais grave que é a venda dele para o setor público, não que no setor privado isso seria menos grave, mas pelo menos o dlinheiro não seria do contribuinte.
      Enfim, supondo que o poder público engula essa conversa de que o Orcam é a oitava maravilha do mundo para nós e resolva comprar, por esse preço, minha pergunta é: quem vai perder na hora de usar e o dito cujo não funcionar como na propaganda? E nesse caso, perderemos nos dois setores, público e privado, pois ninguém quer jogar dinheiro fora, quer? E, considerando que o nosso grupo, de pessoas com deficiência visual, é um dos mais relegados nas contratações de trabalho, ficaremos a ver navios e mal vistos, por reclamarmos de produto tão caro e com uma propaganda tão favorável.

      Pra terminar, penso que o Orcam, precisa ser melhorado antes de efetivamente ser colocado no mercado. Nós, pessoas com deficiência visual, queremos autonomia, independência e segurança nas ações mais corriqueiras e, até perdermos a visão, simples como ler uma placa na rua, , o que pra todos é quase uma bobagem, pra nós, é a diferença entre ir e vir com segurança, autonomia e sem medo.

      Abraço a todos!

      Responder
  • Victor Inacio em 21 de agosto de 2017

    Olá pessoal, com certeza sabemos que o produto necessita de melhoras, então acho (deixando bem claro minha opinião) poderiam utilizar mais dos deficientes visuais para melhorar o produto, a demora em resposta é algo que me deixa de pé atrás em adquirir um produto como esse, deixando de lado o valor é claro (não tenho a menor capacidade em comprar), outra observação, é necessário o fio? acho que deveriam melhorar um pouco mais para assim vender, deixando novamente claro é a minha opinião, obrigado a todos e divulguem o site a matéria os comentários acho de muita valia, grande abraço.

    Responder
    • Irene Poeta em 21 de agosto de 2017

      Oi, Victor, não posso deixar passar batido o seu comentário, sem responder.
      Penso que o que lhe falta para comprar o produto não é, de modo algum, capacidade, porque isso, meu caro, você tem de sobra, o que lhe falta, assim como para a maioria de nós é condição financeira o que neste caso é ótimo, pois, já pensou se tivéssemos essa condição, na ansiedade de sermos beneficiados por tudo o que ele promete, talvez nem procurássemos fazer um teste minucioso no dito cujo e o compraríamos e aí, descobrir da pior maneira possível, que ele não é o que dizem que é.
      E ai, meu caro, não conseguiríamos mais autonomia pras coisas e o pior, teríamos perdido nada mais, nada menos que a bagatela de R$ 14.000,00, é mole?

      Abraço,

      Responder
  • Victor Inacio em 21 de agosto de 2017

    Outra coisa, fico muito feliz em saber que estão trabalhando para nos ajudar e deixar-nos com mais autonomia, certamente estamos caminhando para um futuro um pouco mais fácil para os deficientes visuais, em passo de tartaruga manca e cega mas estamos indo.

    Responder
    • Irene Poeta em 21 de agosto de 2017

      Oi, de novo, Victor!

      Concordo plenamente em gênero, número e grau com o que disse. Bom por um lado, pois estão fazendo alguma coisa. Péssimo por outro, pois tudo é tão lento que dá a impressão que nunca vai chegar até nós de fato. Aff.
      Enfim, é o que temos pra hoje, não é mesmo? É por isso que é tão frustrante e quase revoltante quando aparece um produto que não corresponde ao que precisamos e que ainda custa tão caro…

      Abraço a todos!

      Responder
  • wellington de Castro em 21 de agosto de 2017

    Olá!

    Como tensionado por mim e pelos internautas, o dispositivo trouxe muitas espectativas para a comunidade de deficiente visual brasileira, devido em suas públicidade, apresentar um produto eficiente, eficaz e efetivo; com potencial de revolucionar a realidade social de pessoas com deficiência visual. Mas com a realização das feiras de acessibilidade internacional e nacional, o público alvo atestou que o produto final, não é eficiente, nem eficaz e muito menos efetivo, pois apresenta diversas falhas.

    Sendo assim, creio que precisaremos de esperar possível melhorias no produto ou um novo produto que atentda efetivamente nossas necessidades.

    Responder
  • Leandro Pereira em 21 de agosto de 2017

    É a idéia do Google Glass, só que com retorno auditiovo. Embora o óculos da Google passa por reformulações.
    O legal, é que estou comentando dentro de um web browser, que abre dentro de um app desktop que estamos criando aqui em C#.

    Responder

Fique a vontade para comentar

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *